quarta-feira, 9 de agosto de 2017

Acácia Dourada















À Antônio e Emília Rossetto, 
meus avós, in memorian.


Extasiante acácia dourada do brejo mineiro,
No chão de minha terra goteja
O suor do povo moreno...
Oh! Imensidão, transbordante do céu,
Enchente, num Big Bang de estrelas.
No barulho do grilo, no mato, cantante traz
O cheiro da terra, num balbuciar de contentamento.
E deitar sob a lua, trazendo pontos distantes
Confundidos como vagalumes da roça
Entre o frescor das ervas, feitos lampejos.
Rememorando os cantos da minha infância,
Tão perto e distante ao mesmo tempo,
Pouco a pouco se esvai e se apaga
Na memória do meu silêncio.


imagem retirada da internet:

https://www.villadavila.com.br/a-villa?lightbox=dataItem-ij1tc9bg

sexta-feira, 4 de agosto de 2017

A Janela...
















À minha mãe, Nair Rossetto








Da janela
Transcendentalmente saem olhos
Aos quatro cantos da imaginação.

Dos olhos
Saem lágrimas
– não sei se é
Por nada entender
Ou por entender tudo.

A vida passa defronte à janela
E os olhos veem o mundo
Nas asas da imaginação.
E as pessoas que passam
Não veem a janela
E muito menos os olhos.

Da janela,
Retangularmente, ela vê o mundo:
Um mundo sem emoção.
Sofrendo por dentro
Só lhe abro e fecho a janela.
Como me dói o coração!

E de noite
(quando o mundo descansa)
Eu fecho a janela
E, por que não dizer,
Os olhos de minha mãe.


imagem:


At the Window by Mary Cassatt